Arquivo mensal: outubro 2011

Concurso de Logotipo Estadual do GT Mística e Construção

Padrão

Em meados de 2011, durante a 30ª Assembleia Regional da Pastoral da Juventude (ARPJ) em Bragança Paulista, os pejoteiros criaram um Grupo de Trabalho (GT) com enfoque na Mística e Construção. O GT traz propostas para uma espiritualidade semeada na realidade juvenil, com roteiros, celebrações, roteiros de teatros e músicas que ajudem o jovem a rezar, sentir e saborear internamente as coisas de Deus, motivando-o a fazê-lo em grupo ou individualmente.

A mística é a companheira da nossa caminhada, e essa experiência de fé deve ser vivida e cultivada por todos os jovens. Assim como uma vela vai iluminando nosso caminho, o Mística e Construção vêm como uma luz para o caminho de fé ajudando o jovem a se aprofundar no mistério da espiritualidade Cristocênica, Mariana e Martirial. Dando continuidade ao trabalho do GT, está havendo um concurso apra e escolha de seu logotipo oficial. Participe e vote aqui!

‘Pink Mobile’ – Curta santista sobre o que é ser mulher

Padrão

Ao encontro do tema do Dia Nacional da Juventude 2011, o curta-metragem santista ‘Pink Mobile – Ser Mulher é’. O vídeo é dirigido por Carlos Oliveira e estrelado por Rose Laine Alvis e João Paulo Rivera. Na equipe técnica também conta com Madeleine Alves, Marcelo Kauz e Raul Correia.

Produzido e editado em celular (art mobile), a proposta foi feita durante o 9º Curta Santos, em que as pessoas enviavam SMS respondendo a pergunta ‘o que é ser mulher?’. O filme conta com o apoio do festival e do Sesc Santos.

26 primaveras do Dia Nacional da Juventude

Padrão

“Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira.” (Che Guevara)

Em outubro de 2010, a juventude brasileira viveu de forma intensa o jubileu de 25 anos de celebração do Dia Nacional da Juventude, popularmente conhecido como DNJ. Um caminho percorrido ao longo da história pelas Pastorais da Juventude e trilhado pelos/as próprios/as jovens e amigos/as da juventude em todas as regiões do Brasil.

O DNJ começou em 1985, motivado pela declaração da ONU, do Ano Internacional da Juventude, lideranças da Pastoral da Juventude ousaram e iniciaram a celebração do DNJ com o lema “construindo uma nova sociedade”. As mesmas lideranças também decidiram que a partir deste ano, no final de outubro aconteceria anualmente o Dia Nacional da Juventude. Passadas algumas edições do DNJ, a Igreja do Brasil assumiu-o como “atividade permanente” da CNBB.

Nestes 25 anos de história, muito aconteceu! Nos mais diversos espaços das dioceses brasileiras, muitas pessoas e organizações se envolveram na realização do DNJ. Muitos foram os temas abordados enriquecendo a cada ano a história do DNJ e animando a juventude na defesa da vida. Os principais eixos abordados foram: sociedade, terra, participação, educação, trabalho, América Latina, ecologia, AIDS, cultura, cidadania, direitos humanos, dívidas sociais, políticas públicas, meio ambiente, meios de comunicação, extermínio da juventude e celebrando a memória – transformando a história. Para explicar o porquê das temáticas listadas, utilizo de parte do texto do Pe. Hilário Dick sobre o jubileu do DNJ:

“[…] pode-se dizer que atrás dos temas dos Dias Nacionais de Juventude se esconde a história deles. Os temas nunca foram intra-eclesiais. Os DNJs encarnam o espírito missionário dos grupos de jovens das Pastorais de Juventude do Brasil falando das realidades que machucam a juventude e o povo em geral, e que nunca foram, simplesmente, um “para nós”, mas um “para a juventude”, vivendo a vocação de fermento na sociedade. Só quem compreende este espírito vai compreender porque o DNJ não tem e nunca teve como temas centrais Jesus Cristo, Igreja, Sacramentos, Eucaristia ou outros temas mais teológicos. Não que se negue a esses, mas o que se afirma é a necessidade de apresentar uma Teologia e uma Espiritualidade que se mistura com a realidade juvenil e do povo.”

Por ocasião da comemoração dos 25 anos do DNJ algumas iniciativas foram feitas como meio de potencializar ainda mais a vivência deste marco da ação pastoral juvenil. Dentre elas destacamos duas ações muito significativas, o site criado pela Rede Brasileira de Centros e Institutos de Juventude, espaço com muitas informações sobre a história dos DNJs, mensagens por ocasião do jubileu e materiais para auxiliar a vivência da atividade. Estes materiais podem ser conferidos no endereço: www.dnj25anos.redejuventude.org.br. A outra ação a ser destacada foi feita pela Pastoral da Juventude, por meio de um grande mapeamento nas dioceses brasileiras, relatando quantidades, locais, organizadores dos DNJs no país. O envolvimento da juventude nas duas iniciativas foi além das expectativas e após a conclusão dos estudos no mapeamento, apresentamos alguns dados do DNJ em 2010.

Mapeando o jubileu. Durante cerca de seis meses, outubro/11 a março/12, recebemos informações a cerca dos DNJs realizados. Os conteúdos chegaram pelo e-mail criado para o mapeamento, pelo site da Pastoral da Juventude e também por mensagens de lideranças nos e-mails e redes sociais. Destaca-se no mapeamento a participação das coordenações de PJ nos regionais da CNBB, elencando informações de todos os estados brasileiros, trazendo um cenário de todo o território nacional. A partir deste envolvimento e do quantitativo mapeado, poderemos afirmar com mais exatidão que o DNJ continua sendo a maior ação pastoral juvenil no Brasil.

Em 2010, o DNJ reuniu cerca de 200 mil pessoas em 164 dioceses, sendo que somente 20 dioceses retornaram com a informação de que não realizaram a atividade e o restante não obtivemos informações precisas. Acreditamos que o número pode ser muito maior, podendo aumentar significativamente, ainda mais pelo fato que a motivação para o mapeamento foi mais interna do que externa, a comunicação da PJ ainda precisa ser potencializada e também o formato utilizado foi apenas virtual. Com a evolução de nossos trabalhos, podemos com certeza, em uma próxima oportunidade alcançar muitas dioceses sem acesso à comunicação adequada ou que até então estavam sem o contato com a organização regional.

A iniciativa também trouxe informações importantes quanto à organização do DNJ no Brasil, das 164 dioceses que realizaram a atividade a PJ organizou em 73%, em 119 dioceses. Nas 45 dioceses restantes, 27% do mapeado, o evento foi organizado em conjunto pelo Setor Juventude diocesano. Os cinco regionais com maior mobilização foram o Leste 2 (MG e ES) com 31% (63.000), seguido do Nordeste 3 (BA e SE) com 16% (32.000), Sul 2 (PR) com 14% (28.050), Sul 1 (SP) com 8% (16.000) e Nordeste 1 (CE) com 4% (8.000).

Analisando as dez dioceses que mais mobilizaram pessoas, podemos destacar que temos envolvidos quatro regionais, sendo que nas cinco primeiras temos apenas dois regionais. Das dez dioceses destacamos também em apenas três temos a organização do Setor, nas outras sete temos a PJ a frente do DNJ. Listando as dioceses temos em primeiro lugar um número expressivo a Igreja local de Juiz de Fora, MG (Leste 2) com 20 mil; seguida das dioceses do Sul 2 Maringá, PR com 7,5 mil e Umuarama com 7 mil; o Leste 2 tem mais cinco dioceses, sendo as três primeiras com 5 mil pessoas cada uma Cachoeiro de Itapemirim e São Mateus no Espírito Santo e Mariana em Minas Gerais, já Itabira/Coronel Frabiciano, MG e Vitória, ES reuniram 4,5 mil pessoas cada uma; Serrinha, BA no regional Nordeste 3 (BA e SE) reuniu também 5 mil pessoas; e concluindo as dez dioceses com maior mobilização do Brasil, temos Ji-Paraná, em Rondônia no regional Noroeste, com a participação de 4 mil pessoas.

Diante dos números apresentados, podemos afirmar que após a publicação do Documento 85 da CNBB e com a efetivação dos Setores de Juventudes diocesanos, algumas iniciativas e em especial o DNJ começa a ter o envolvimento maior de outras expressões juvenis, principalmente na sua organização, porém, continua sendo uma atividade organizada e movimentada pelas Pastorais da Juventude, ainda mais por se tratar do contexto histórico e da própria identidade das PJs, diferente da proposta dos movimentos, novas comunidades e outras organizações juvenis. Mesmo assim, vale destacar que o envolvimento de outras expressões juvenis na organização do DNJ é muito significativo e mostra a unidade vivida na evangelização juvenil.

O mapeamento foi uma iniciativa simples, possível e concreta da PJ, na busca de favorecer cenários da realização do DNJ nas dioceses e regionais no Brasil. Contou com fragilidades próprias do processo e poderá em uma próxima oportunidade aprimorar a ação e contribuir ainda mais na realização desta importante atividade.

2011, mais uma primavera. No dia 30 de outubro de 2011 a juventude brasileira celebrará mais uma primavera do dia mais juvenil do ano. Após o mapeamento, podemos afirmar que o Dia Nacional da Juventude é a atividade católica que consegue reunir o maior número de jovens em um único dia (ou período) em todos os estados brasileiros, em muitas dioceses do Brasil. Com certeza, temos algumas iniciativas de expressões juvenis com muita relevância, porém, acontecem em apenas um local, o DNJ não! Ele tem a capacidade de criar unidade da juventude do sul com o norte, do leste com o oeste. Todos/as realizando a mesma atividade de acordo com suas realidades, refletindo o mesmo tema. Sinal de que independente da região, sotaque, expressão juvenil que participa o importante é celebrar e anunciar a vida da juventude.

Na 26ª primavera do DNJ, somos convidados/as a refletir sobre o tema “Juventude e protagonismo feminino”, tendo como lema “Jovens mulheres tecendo relações de vida”. Momento de refletir sobre a presença e vida das mulheres, em especial das jovens mulheres de nossa sociedade.

É hora de continuar fazendo acontecer! Que venham mais primaveras, que venham mais trintas de outubro, que venham mais Dias Nacionais da Juventude! Não podemos desanimar, é hora de ter coragem, assim como nos convida o saudoso Guimarães Rosa: “O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.”

Joaquim Alberto Andrade SilvaComissão Nacional de Assessores/as da Pastoral da Juventude

Participe de abaixo-assinado sobre rigorosidade a acidentes de trânsitos causados por embriaguez

Padrão

Após perder a mãe e a irmã num acidente de trânsito, Rafael Baltresca criou uma petição pública para maior rigorosidade a quem ainda não sabe que ao ingerir bebida alcoolica é proibido dirigir para não colocar vidas em risco. “Não tenho raiva dentro de mim. Não tenho sentimento de querer agredi-lo ou coisa do tipo. Acho que ele tem que pagar pelo que ele fez. Ele destruiu uma família”, afirmou Rafael, que é palestrante, pouco antes do enterro. “A gente vive em um país ridículo, onde se coloca cerveja e álcool como drogas socialmente aceitas”, disse. Para Rafael, as leis são brandas. “O motorista que dirige em alta velocidade e bebe assumiu o risco [de provocar acidente]”, defendeu.

Rafael é órfão de pai e agora perdeu a mãe e a única irmã. “Espero que o Brasil comece a pensar não apenas no após o acidente, e sim antes, como fazer para prevenir isso, porque depois que aconteceu não adianta multa, não adianta nada, minha mãe e minha irmã já não estão aqui”, disse Rafael Baltresca, filho e irmão das vítimas.

PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE CRIMES DE TRÂNSITO QUE ENVOLVA A EMBRIAGUEZ AO VOLANTE

No uso do direito assegurado pelos arts. 1°, 14, III, e 61 da Constituição Federal, subscrevo o projeto de lei que propõe as seguintes alterações na Lei nº 9.503/97: A revogação da infração administrativa prevista no artigo 165 e seguintes (A embriaguez ao volante passa a ser somente ilícito penal e não mais ilícito administrativo); A revogação dos artigos 276 e 277 dos procedimentos administrativos previstos (O procedimento administrativo foi incorporado às infrações penais); A revogação da parte final do artigo 291, caput, bem como do parágrafo primeiro e do inciso primeiro do artigo 291(Eliminação do enquadramento à lesão corporal culposa); Propõe a alteração do artigo 302, acrescentando os §§ 2º, 3º e 4º (Aumento da pena, a obrigatoriedade da submissão ao exame clínico e a formalização de obtenção de provas de embriaguez); Propõe a alteração da redação do caput do artigo 306, e acrescentando ainda os §§ 1º e 2º (Eliminação do mínimo de concentração de 6 (seis) decigramas, a obrigatoriedade da submissão ao exame clínico, o aumento da pena e a formalização de obtenção de provas de embriaguez.

Participe dessa iniciativa, exerça sua cidadania: http://www.naofoiacidente.com.br

Pe. Marcelo Rossi versus Pe. Fábio de Melo

Padrão

Os dois padres ligados à RCC – e por que não dizer do Brasil? – em maior evidência na mídia perdem tempo trocando farpas nas últimas semanas. No dia 30/set, o Jornal da Tarde publica entrevista em que o Padre Marcelo Rossi alega que o outro sacerdote “fala besteiras” para meninas em seus shows. Já no dia 04/out, o Padre Fábio de Melo rebate a crítica de cobrar altos cachês para o seu show, ao contrário de Rossi que cobraria por celebrar missas – prática considerada gratuita segundo o próprio Padre Marcelo.

Por que em vez de brigar os membros do clero não se unem para fazer valer o Evangelho em nosso chão? Confiamos no potencial e no carisma de ambos para que possam um dia, juntos, trazer um pedaço de luz a população nacional que os admira.

A crítica do Padre Marcelo Rossi no Jornal da Tarde

A crítica do Padre Fábio de Melo na TV Fama

Farpas desnecessárias espalhadas direto para a imprensa dão razão a sátiras desncessárias do papel do sacerdote no Brasil, como essa:

Santos se manifesta contra a corrupção nesta quarta-feira

Padrão

No próximo dia 12 de outubro, movimentos sociais se organizam para realizar uma Manifestação Contra a Corrupção. Na Baixada Santista, o evento será na Praça da Independência em Santos a partir das 14h. Em levantamento feito em todos os movimentos parceiros (q estão aqui na descrição), os temas UNÂNIMES para o próximo protesto: Voto Aberto no Congesso; Ficha Limpa; e Corrupção como Crime Hediondo (PLS 204/2011)

Dia 07/set foi o começo. Todos que criaram Eventos no Facebook entraram em acordo e se uniram neste ÚNICO e totalizador convite. Neste 12 DE OUTUBRO vamos provar a força do cidadão brasileiro! Somamos todos os grandes eventos e mostramos que JUNTOS SOMOS + FORTES! Participe de verdade! Ainda que como um ANONYMOUS, dê um BASTA na corrupção e mostre suas CARAS PINTADAS #NASRUAS #Diadobasta e lute pelo seu país UNIDOS CONTRA A CORRUPÇÃO!

Provaremos a fé em um Brasil mais justo, possível berço de uma nação formada por dirigentes com consciência social, na qual nossos filhos e netos viverão melhor, cercado de saúde e educação públicas descentes, com orgulho real do país em que vive. E um recado para você, CORRUPTO: o gigante adormecido ACORDOU e não adianta se preparar, cercaremos você de todos os lados. Não descansaremos até esse nosso Brasil entrar nos eixos. Queremos ordem e progresso!

VarreBrasil: http://facebook.com/ContraCorrupcao
Dia do Bastahttp://facebook.com/diadobasta
Brasil Unido Contra a Corrupçãohttp://facebook.com/groups/brasil.unido.contraacorrupcao/
Anonymous que compartilham a causa e apoiam este manifesto:
http://facebook.com/PlanoAnonymousBrasil
Movimento Apartidário Contra a Corrupçãohttp://facebook.com/groups/216325685088094/
Caras Pintadashttp://facebook.com/groups/165828076824850/
Ética JáPor um Brasil livre dos corruptos http://facebook.com/event.php?eid=232944996755479
Faxina Brasilhttp://facebook.com/profile.php?id=100002872372656
II Marcha contra corrupção DF: http://facebook.com/event.php?eid=249441681761599
Democracia Participativahttp://facebook.com/groups/votodireto
– #NASRUAShttp://facebook.com/nasruas (ESPAÇO PARA DEBATES)
Página Oficial do Espaço NasRuas no Facebook: www.facebook.com/nasruas

O anel de tucum é símbolo da “Igreja dos pobres”

Padrão

Tucum é o nome de uma palmeira da amazônia, da qual sua madeira, é utilizada para fazer este anel. O anel de tucum é um símbolo usado por aqueles/as que acreditam no compromisso preferencial das Igrejas com os pobres. Também um símbolo de solidariedade que está nas mãos de muita gente de norte a sul do nosso país e também nas mãos de várias pessoas de nossa América Latina e da Europa, que lutam pela justiça e se engajam em pastorais sociais (das igrejas cristãs especialmente), entidades, movimentos sociais e ONG´s que lutam a favor dos que são explorados pelo capitalismo selvagem.

Na época do Império, quando o ouro era usado em grande escala entre os opressores, principalmente nos anéis, os negros e os índios não tendo acesso ao ouro, criaram o ANEL DE TUCUM como símbolo de pacto matrimonial, símbolo de amizade entre si e também de resistência na luta por libertação. Era símbolo clandestino cuja linguagem somente eles sabiam. O anel de tucum agregava os oprimidos, em busca de vida, mesmo no meio de tanta opressão.

O objetivo é resgatar este compromisso e denunciar as causas da pobreza. Este é o compromisso simbolizado nesta aliança, já que tanto no Antigo quanto no Novo Testamento os profetas e apóstolos afirmam a fidelidade de Deus aos pobres e oprimidos. A aliança de tucum é o sinal desta fidelidade, deste compromisso.

Além da Bíblia, a opção pelos pobres é testemunhada também por toda a tradição da Igreja, principalmente na América Latina, a partir do Concílio Vaticano II e das Conferências dos Bispos em Puebla e Medelin. Esta opção é a essência mesmo da vida cristã porque está ligada à imitação da vida de Cristo. Mas esta opção não é apenas uma responsabilidade individual. Neste momento da história, ela implica um compromisso social que está ligado à partilha e acesso à propriedade dos bens absolutamente necessários à vida. Deus está do lado dos pobres porque Deus ama os pobres. Por isso o cristão é chamado a seguir este mesmo exemplo de amor e opção preferencial que tenta promover a dignidade humana. No pobre revela-se o rosto do próprio Deus (Mt 25,40).

No filme “Anel de Tucum”, Dom Pedro Casaldáliga explica assim o sentido desta aliança: “(…) Este anel é feito a partir de uma palmeira da Amazônia. É sinal da aliança com a causa indígena e com as causas populares. Quem carrega esse anel significa que assumiu essas causas. E, as suas conseqüências. Você toparia usar o anel? Olha, isso compromete, viu? Muitos, por causa deste compromisso foram até a morte (…)”.

*Pastoral da Juventude da Diocese de Piracicaba/SP