Arquivo mensal: abril 2012

Feliz por nada!!! xD

Padrão

Nesta sexta-feira tão esperada e véspera de feriadão, uma crônica da maravilhosa Martha Medeiros!

Um ótimo fds…Axé!!!

Geralmente, quando uma pessoa exclama Estou tão feliz!, é porque engatou um novo amor, conseguiu uma promoção, ganhou uma bolsa de estudos, perdeu os quilos que precisava ou algo do tipo. Há sempre um porquê. Eu costumo torcer para que essa felicidade dure um bom tempo, mas sei que as novidades envelhecem e que não é seguro se sentir feliz apenas por atingimento de metas. Muito melhor é ser feliz por nada.

Digamos: feliz porque maio recém começou e temos longos oito meses para fazer de 2010 um ano memorável. Feliz por estar com as dívidas pagas. Feliz porque alguém o elogiou. Feliz porque existe uma perspectiva de viagem daqui a alguns meses. Feliz porque você não magoou ninguém hoje. Feliz porque daqui a pouco será hora de dormir e não há lugar no mundo mais acolhedor do que sua cama.

Esquece. Mesmo sendo motivos prosaicos, isso ainda é ser feliz por muito.

Feliz por nada, nada mesmo?

Talvez passe pela total despreocupação com essa busca. Essa tal de felicidade inferniza. “Faça isso, faça aquilo”. A troco? Quem garante que todos chegam lá pelo mesmo caminho?

Particularmente, gosto de quem tem compromisso com a alegria, que procura relativizar as chatices diárias e se concentrar no que importa pra valer, e assim alivia o seu cotidiano e não atormenta o dos outros. Mas não estando alegre, é possível ser feliz também. Não estando “realizado”, também. Estando triste, felicíssimo igual. Porque felicidade é calma. Consciência. É ter talento para aturar o inevitável, é tirar algum proveito do imprevisto, é ficar debochadamente assombrado consigo próprio: como é que eu me meti nessa, como é que foi acontecer comigo? Pois é, são os efeitos colaterais de se estar vivo.

Benditos os que conseguem se deixar em paz. Os que não se cobram por não terem cumprido suas resoluções, que não se culpam por terem falhado, não se torturam por terem sido contraditórios, não se punem por não terem sido perfeitos. Apenas fazem o melhor que podem.

Se é para ser mestre em alguma coisa, então que sejamos mestres em nos libertar da patrulha do pensamento. De querer se adequar à sociedade e ao mesmo tempo ser livre. Adequação e liberdade simultaneamente? É uma senhora ambição. Demanda a energia de uma usina. Para que se consumir tanto?

A vida não é um questionário de Proust. Você não precisa ter que responder ao mundo quais são suas qualidades, sua cor preferida, seu prato favorito, que bicho seria. Que mania de se autoconhecer. Chega de se autoconhecer. Você é o que é, um imperfeito bem-intencionado e que muda de opinião sem a menor culpa.

Ser feliz por nada talvez seja isso.

Porque dizer não à redução da idade penal

Padrão

Como á sabido, desde 1999, a redução da idade penal vem sendo discutida pelo Congresso Brasileiro, em diferentes Propostas de Emenda à Constituição Federal (PECs).

 No  dia 26 de abril de 2007, foi objeto de deliberação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal. Uma votação de 12 votos a 10, aprovou o substitutivo de autoria do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que reuniu seis das propostas de emenda à  Constituição. O substitutivo reduz a  maioridade penal para 16 anos nos casos de crime hediondo e dos equiparados a este, como tráfico, tortura e terrorismo, desde que laudo técnico psicológico, laborado por junta designada por juiz, ateste a plena capacidade de entendimento do adolescente que praticou o ato ilícito. A proposta sugere que o cumprimento da pena seja realizado em local distinto daquele em que estarão detidos os maiores de 18 anos.

 Como toda proposta de emenda à Constituição, sua discussão no Congresso Nacional exige um exame mais demorado e cuidadoso, e por isso sua votação requer quorum quase máximo e dois turnos de votação em cada uma das Casas Legislativas, Câmara dos Deputados e Senado Federal.

 No atual estágio, tendo sido já aprovada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), a proposta seguirá diretamente ao Plenário do Senado que abre prazo de cinco sessões para discussão. A aprovação exige dois turnos, com votação favorável mínima de 60%, 3/5 dos senadores em cada um dos turnos. Na legislatura atual, são necessários 49 votos dos 81 senadores. O intervalo das votações é de no mínimo 05 (cinco) dias.

Se rejeitada, a proposta será arquivada e não poderá mais ser apresentada na mesma legislatura, pois padecerá de “impedimento constitucional”.

 Caso a PEC venha a ser aprovada no Senado, a matéria será então encaminhada à Câmara Federal, que constituirá uma comissão especial para analisá-la. Em anos anteriores, propostas semelhantes foram consideradas  inconstitucionais na Casa e arquivadas. Se aprovada na comissão especial, a PEC também terá que ser analisada pelo Plenário da Câmara, em dois turnos, e terá que obter a aprovação de pelo menos 3/5 dos deputados federais, ou seja, 308 votos.

 Portanto, levando-se em conta que a matéria deverá ainda ser debatida nos Plenários da Câmara Federal e do Senado, esta matéria deve funcionar como um subsídio à discussão.

 A Pastoral da Juventude de todo o Brasil, vem a tempos discutindo a temática da redução da maioridade penal, a exemplo de outras ocasiões,vem mais uma vez tornar pública que é CONTRA essa medida, por entender que a mesma é uma ação paliativa, punitiva aos jovens, que não trata as causas geradoras de Violência, ferindo a vida da juventude.

 A redução da maioridade penal representa,  um enorme retrocesso no atual estágio de defesa, promoção e garantia dos direitos da criança e do adolescente no Brasil.

Isto porque a forma como o Estado e o Direito tratam suas crianças e adolescentes é um indicador infalível na avaliação do processo civilizatório e de desenvolvimento.

 A consolidação de um Direito Brasileiro da Criança e do Adolescente democrático, tem suas origens na Campanha Criança e Constituinte, antes mesmo da entrada em vigor do ECA, por força de princípios constitucionais que reconheceram a Proteção Integral e a Prioridade Absoluta no estabelecimento de todas as políticas dirigidas à infância e juventude. Deste modo, a Doutrina da Proteção Integral possui também interferência direta na organização de um sistema de justiça especializado e na adoção de uma legislação também especial para regulamentar todas as situações em que houver a presença de uma criança ou adolescente – Com especial destaque às situações nas quais o adolescente é autor de uma infração à lei penal.

*Leia mais em http://www.pjsul1.org/site/noticias.php?opcao=Exibe&idNot=721

Cotas raciais nas universidades

Padrão

Supremo Tribunal Federal retoma julgamento sobre cotas raciais nas universidades.

BRASÍLIA – O Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar nessa quarta-feira processos que definirão se o sistema de cotas raciais e sociais adotado por universidades brasileiras respeita ou não a Constituição. O novo presidente do STF, Carlos Ayres Britto, já se manifestou sobre o tema e defendeu a validade de ações afirmativas como mecanismo eficaz de combate às desigualdades.

Em um julgamento iniciado em 2008, Ayres Britto deu o aval para políticas de ações afirmativas no âmbito do Programa Universidade para Todos (ProUni). Uma lei de 2005 estabeleceu que, para receber benefícios do ProUni, as universidades privadas deveriam reservar parte de suas bolsas de estudo para negros, indígenas, estudantes portadores de necessidades especiais e também alunos que tenham cursado o ensino médio completo em escola pública ou em instituição privada na condição de bolsista integral.

Após o voto de Britto, o julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Joaquim Barbosa e deverá ser retomado nesta quarta.

Além da ação sobre o ProUni, o STF deve julgar processos que contestam a constitucionalidade de regras adotadas pelas Universidades de Brasília (UnB) e Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) para ingresso nas instituições por meio de cotas.

Na primeira ação, o Democratas (DEM) questiona atos administrativos do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UnB que estabeleceram critérios para ingresso na instituição por meio do sistema de reserva de vagas. Pelas regras, 20% das vagas oferecidas pela universidade devem ser garantidas a negros e pardos. A UnB foi a primeira instituição federal a adotar o sistema de cotas.

A outra ação programada para ser julgada nesta quarta-feira é movida por um vestibulando que alega ter sido prejudicado por uma política afirmativa. Reprovado no vestibular para o curso de Administração da UFRGS, Giovane Pasqualito Fialho sustenta que, apesar de ter obtido pontuação superior à de outros candidatos, não conquistou uma vaga por causa da cota. Segundo ele, concorrentes com notas inferiores foram admitidos graças à política de reserva de vagas para alunos egressos de escolas públicas.

Racismo. Único negro a integrar o STF, Barbosa afirmou na semana passada em entrevista ao jornal O Globo que “alguns brasileiros não negros se acham no direito de tomar certas liberdades com negros”. Indagado se já tinha sofrido preconceito por parte de colegas do STF, ele disse: “Em todos os lugares em que trabalhei sempre houve um ou outro engraçadinho a tomar certas liberdades comigo, achando que a cor da minha pele o autorizava a tanto”.

No dia seguinte, o novo presidente do STF afirmou que o tribunal é contra o racismo. “O racismo é proibido pela Constituição”, reiterou o ministro.

*www.estadao.com.br

Rio +20

Padrão

O que é a Conferência Rio +20?

A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, batizada de Rio+20, marca os 20 anos da Eco-92, a cúpula sobre meio ambiente realizada no Rio de Janeiro em 1992. Faz parte do ciclo de conferências ambientais da ONU, que teve início em 1972, em Estocolmo, Suécia.

A Rio+20 reunirá, mais uma vez, chefes de Estado e de governo e entidades da sociedade civil (ONGs, universidades, institutos) para revisitar os principais temas, protocolos, convenções e recomendações que resultaram da Eco-92. Entre eles estão a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; a Agenda 21; e as convenções-quadro sobre Mudanças Climáticas, Biodiversidade e Combate à Desertificação.

OS TEMAS

Além dessas questões, que voltam a ser debatidas, dois temas centrais foram selecionados para nortear as discussões na Rio + 20. O principal deles é a transição para a chamada economia verde, que propõe a adoção de um novo sistema produtivo, com base na baixa emissão de gases de efeito estufa, na eficiência no uso dos recursos naturais e na inclusão social.

O segundo tema central é a governança global que levará ao desenvolvimento sustentável, ou seja: como os países vão se organizar, em termos de leis, acordos e protocolos, para colocar esse novo modelo socioeconômico em prática.

Outros assuntos que terão espaço na conferência são: energia; alimentação e agricultura; emprego e inclusão; cidades sustentáveis; água; oceanos e desastres naturais.

É esperado dessa reunião, porém, mais do que um balanço da Eco-92. O resultado final deve ser condensado em um documento de cunho político onde todos os países se comprometam a fazer as transformações necessárias rumo à economia verde.

*Folha Online (http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/1074980-o-que-e-a-conferencia-rio20.shtml )

Frio chegando…Hora de doar!!!

Padrão

O inverno bate a nossa porta e com ele a solidariedade! Sabe aquela roupa que você nem usa mais? Que tal doá-la para quem precisa? Fica a dica! 😉

Santos conta com mais de 30 pontos de arrecadação da 7ª Campanha Metropolitana do Agasalho. As peças serão entregues a entidades beneficentes, creches, abrigos, hospitais e outras instituições da região.

A campanha é organizada pelo Fundo Social de Solidariedade das nove cidades que compõem a Região Metropolitana da Baixada Santista. O posto central em Santos funciona na sede do Fundo Social, na Av. Conselheiro Nébias, 388, Encruzilhada.

Há ainda unidades de coleta nas regionais (Zona Noroeste, Orla, Morros, Centro Histórico e Área Continental), Paço Municipal, Estação da Cidadania, Mercado Municipal, Estação do Valongo, bonde do Gonzaga, Complexo Esportivo Rebouças, Prodesan, CET e secretarias municipais de Cultura e Segurança. As bases da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e delegacias policiais também recebem doações.

O cidadão pode doar roupas, sapatos ou cobertores, desde que estejam em bom estado para utilização.

Segue os pontos das demais cidades:

Praia Grande: Programa de Integração e Cidadania (PIC) Forte (Rua Xixová, s/n, Canto do Forte), PIC Melvi (Rua Heleny Rosa, s/nº, Melvi), PIC Quietude (Avenida Milton Daniel’s, s/nº, Quietude), PIC Vila Alice (Rua Renata Câmara Agondi, s/nº, Anhanguera), PIC Vila Sônia (Rua G, s/nº, Vila Sônia), Cafe Sérgio Mainente (Rua Ana Pereira de França, 295, Esmeralda), Cafe Sítio do Campo (Rua Teodósio de Augustinis, s/nº, Sítio do Campo), Cafe Vila Sônia (Rua João Andrade de Jesus, s/nº, Vila Sônia), Conviver Boqueirão – Avenida Castelo Branco, em frente a Rua Pernambuco , Boqueirão), Conviver Guilhermina (Rua Praia dos Sonhos, 245, Guilhermina), Conviver Caiçara (Rua São Domingos, 1.435, Caiçara), Conviver Ocian (Avenida Castelo Branco, ao lado da Estátua de Netuno, Ocian), Paço Municipal (Avenida Presidente Kennedy, 9.000, Mirim)

Guarujá: Fundo Social de Solidariedade (Rua Cavalheiro Nami Jafet, 549 – Centro)
Ministério Evangélico Palavra de Vida (Rua dos Miosótis, s/n – Telefones: 3384-1443 ou 3012-5170).
Padaria Rei do Trigo (Rua Sílvia Valadão de Azevedo, 266 – Barra Funda)
21º Batalhão (Rua José Avelino de Oliveira, 171 – Jardim Guaiúba (Todos os da PM de Guarujá e Vicente de Carvalho)
Shopping La Plage (Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 885 – Pitangueiras)
Material de Limpeza Brito (Rua Dionísio José Lourenço, 149 – Morrinhos)
Papelaria Menino Jesus de Praga (Rua Antonio de Souza, 205 – Centro)
Clube Atlético Vila Souza (Avenida Artur Costa Filho, 282 – Vila Maia)
Unaerp (Avenida Dom Pedro I, 3.300 – Enseada)
Projetos Neemias (Avenida Dom Pedro I, 3.178 – Enseada)
Supermercados Jóia (Adhemar de Barros 3.255 – Vila Lígia; Rua Petrópolis, 291 – Centro; Rua dos Gerânios, 136 – Jardim Primavera; e Avenida Antônio Miguel dos Santos, 456)
Sindicato dos Funcionários Públicos (Manoel Hipólito do Rego, 84 – Jardim Boa Esperança)
Sindicato dos Zeladores (Rua Cavalheiro Nami Jafet, 274 – Centro)
Grêmio dos Funcionários Públicos (Rua Ranulfo Verissimo, 50 – Jardim Las Palmas)
Igreja São Pedro (Rua Nova Iguaçu, 205 – Perequê)
Sabor em Dobro (Rua Antônio Miguel dos Santos, 123 – Santo Antônio).

Itanhaém: Colégio Evolução, Colégio Nova Era, Escola 22 de Abril, Colégio Prof° Paulo Freire, 2° Distrito Policial de Intanhaém, 2ª Cia do 29ª Batalhão Polícia Militar, Base Comunitária da Polícia Militar, 29ª Batalhão da Polícia Militar, Sabesp, Elektro, INSS, Banco do Brasil, Edifício Porto Seguro, Edifício Pioneiro, Edifício Quebra Mar, Edíficio Abarebebe.

Os outros municípios da região não publicaram os seus postos.

Mais informações no Fundo de Solidariedade de sua cidade!

Atalhos…

Padrão

Nesta sexta, uma mensagem para refletir como estamos levando a nossa vida, será que estamos sempre procurando atalhos ou estamos dispostos a aprender no tempo que a vida quer?

Um ótimo final de semana a todos!!! Axé!!!


Você já notou que, para as coisas mais importantes nesta vida, não existem atalhos?

Não tem corta-caminho para crescer, para ser saudável, nem para que um vinho se torne excelente.

Lembra daquela tarde ou noite que passou conversando com aquela pessoa da qual gosta tanto? Como seria aquela noite com um atalho?

No entanto, a cada dia que passa, vejo mais e mais gente procurando a “fórmula” disso ou daquilo para “pular etapas”. Querem saber como “Ser Zen em 1 minuto” ou “Como fazer de minha empresa o próximo Facebook em menos de cinco anos”.

Ao focarmos tanto em formas de acelerar o resultado, esquecemos a importância do caminho e o aprendizado que vem com ele. O destino final da vida é um só (a morte, caso esteja em dúvida), e buscar atalhos constantes não nos fazem viver mais, mas menos.

Por incrível que pareça, muitas vezes o caminho mais longo é o mais rápido. Porque quando estamos vivendo o momento presente, o tempo passa sem sentirmos.

A gente leva desta vida a vida que a gente leva. E, se a vida for uma serie de atalhos, pouca vida restará para levar.

*Pierre Schürmann (colunista Istoé)

No dia do índio: Em um cenário com poucas melhorias, índios vão a luta pela sobrevivência

Padrão

O Dia do índio, celebrado hoje,  é uma data que serve mais para lamentações do que para comemorações. Cada vez mais acuados pela ocupação do território brasileiro, os indígenas se deparam agora com uma ameaça ao artigo da Constituição Federal que pode tirar deles o direito ao usufruto da terra que foi de seus ancestrais: A PEC 215 que tramita no Senado tira a prerrogativa do Executivo em demarcar terra indígenas, passando a competência de forma exclusiva para p Congresso Nacional.

Com a Fundação Nacional do Índio(FUNAI), cada vez mais sucateada, e problemas cônicos de atendimento à saúde, educação e até mesmo de alimentação, os índios buscam novas alternativas para garantir autonomia.

“Se você pegar uma reportagem feita há quatro, cinco anos no Dia do índio só vai precisar trocar a data para a nova publicação. Porque nada mudou desde então na vida dos índio”, compara a conselheira da Kanindé, Ivaneide Bandeira. Entre as maiores dificuldades está o acesso à saúde. Recentemente criada, a Secretaria Especial de Saúde Indígena não trouxe novidades. ” Faltam médicos e outros profissionais nas aldeias”, afirma Ivaneide Bandeira.

A educação também é falha. Em Rondônia, apenas a Terra Indígena Karitiana conta com escola de ensino médio, Na maioria das aldeias o ensino só vai até a 5ª série . “Com isso, os jovens são obrigados a estudar na cidade, onde estão sujeito à violência, alcoolismo e outras ameaças”, enumera a conselheira. Diante de tantas dificuldades, os indígenas ainda sofrem com as constantes ameaças à integridade de suas terras, aumentando a cada o número de assassinatos devido a essa luta constante.

É necessário que façamos algo e mudar este cenário o mais rápido possível, antes de perdemos essa parte da história, “ainda viva” do Brasil … Dia do índio…Dia de luta!!!

* Diário da Amazônia