Arquivo mensal: maio 2012

Inscrições para o Enem começam na segunda

Padrão

Entre segunda-feira (28) e 15 de junho estarão abertas, exclusivamente pela internet, as inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012, cujas provas serão aplicadas em 3 e 4 de novembro. O ministro Aloizio Mercadante, da Educação, apresentou os detalhes nessa quinta (24), em Brasília, mas o edital da prova será publicado no Diário Oficial da União de amanhã. A maior novidade é que neste ano os alunos poderão acessar as redações corrigidas, objeto de dezenas de ações judiciais já movidas por estudantes descontentes com as notas. A medida faz parte de um acordo firmado entre o MEC e o Ministério Público Federal (MPF) no ano passado.
Os critérios da redação foram alterados para tornar o processo mais objetivo.

A redação valerá 1 mil pontos e cada texto será lido por dois corretores, que avaliarão cinco competências, como o domínio da norma culta, a capacidade de argumentação e a compreensão do tema. Cada item valerá 200 pontos.
O ministério lançará em julho, no portal, um guia que mostrará o que o Finep, órgão do MEC responsável pelo Enem, espera da redação. Até o ano passado, se as notas dos avaliadores divergissem mais de 300 pontos, um terceiro fazia nova correção. Este ano, a margem de discrepância caiu para 200 pontos. A terceira correção será aplicada se houver diferença maior que 80 pontos em pelo menos uma das cinco competências. Se a discrepância nas notas permanecer, será convocada uma banca, com três professores, para fazer a correção presencial.

O ministro afirmou que haverá aumento de custo por conta da existência da quarta banca. “Há, mas é um custo menor do que o equívoco que pode ser cometido com a redação. Vale a pena, é um procedimento de correção mais exigente, e isso dá segurança, exatamente o que queremos”, disse.
Mercadante acredita que ao ajustar todo o sistema ao termo assinado com o MPF não haverá mais “judicialização” do exame. Ele também persegue o objetivo de que, ao ser requerida a prova pelo aluno, que ela seja apresentada rapidamente.

A taxa de inscrição continua em R$ 35. Alunos do 3º ano do ensino médio em escola pública estão isentos do pagamento. No primeiro dia do exame, um sábado, os participantes terão quatro horas e meia para responder às questões de ciências humanas e da natureza. No domingo, serão aplicadas as perguntas sobre matemática e linguagens, além da redação, em cinco horas e meia. O gabarito deve sair dia 7 de novembro e o resultado final, em 28 de dezembro.

*Focando a noticia

Sociedade dos Paradoxos

Padrão

Um grupo de 23 cientistas britânicos da Royal Society, encabeçado por John Sulston, acaba de elaborar um documento – a ser apresentado  durante a Rio+20 – que vinculará consumo e pobreza. Como dado preliminar hoje há 1,3 bilhão de pessoas em estado de pobreza absoluta. Não bastasse a cifra escandalosa, temos que considerar que estes números são totalmente dependentes do padrão de consumo nos países desenvolvidos. Só o Brasil representará nos próximos anos 5% do consumo global, enquanto o continente africano responderá com 70% do crescimento populacional do planeta. Há alguma resposta para esta situação? Consumir mais, certo? Segundo os cientistas, não necessariamente, depende de quem consome. Fato que evidencia como o senso comum é cego.

 

O consumo excessivo e concentrado produz lixo não administrável, além de poluir em escala não civilizada. O consumo é um ato inconsciente. Aliás, um enigma muito bem explorado pelo marketing contemporâneo. O que os publicitários nos ensinaram nestes anos todos é que precisamos precisar. Porém, há muito mais que um único conflito de interesses quando se trata do binômio desenvolvimento industrial e manutenção da biosfera. Sem atenção planejada e coordenada de uma educação menos informativa e mais crítica, planejamento familiar e radical equalização do consumo, teremos saudades dos tempos em que as conferências ainda podiam prometer resultados. Nas poucas unanimidades nessa área, uma delas é que estas decisões não são para hoje. Ontem já seria tarde.

Então, lá vamos nós aos chavões: comprar movimenta a economia. O excesso de consumo aumenta as discrepâncias sociais.  Consumir faz com que a sociedade se torne mais produtiva e competitiva. A industrialização selvagem asfixia e desarticula microssistemas artesanais e extrativistas de produção jogando populações inteiras à desvalia e ao desamparo social. O incrível é que é muito provável que todas as afirmações acima sejam verdadeiras ao mesmo tempo. A explicacão de como podemos conviver com tantas contradições é que chegamos à sociedade dos paradoxos.

 

Dadas as atuais condições desvantajosas do planeta, não há mais como sustentar os padrões que as sociedades industrializadas vêm mantendo desde o pós-guerra. Por outro lado, a crise indica que talvez consumir e induzir consumo sejam a única saída. Um consumo mais igualitário poderá favorecer as sociedades e o mundo. Podemos detestar isso, mas neste ponto da história, em que nos transformamos numa força geológica, estamos em regime forçado de interdependência. É preciso estimular a consciência a trabalhar, já que ela não pega tão facilmente no tranco. Só quando um norueguês perceber que ele aumentará seu risco se não deixar de comprar sua terceira TV de plasma para que um senegalês tenha seu primeiro rádio, o mundo poderá estar ficando menos díspar.

O interesse ativo em manter a população em estado de obscuridade é, infelizmente, a grande força política dominante. Vale dizer, a transparência que se oferece não é a de que necessitamos, já que o jogo democrático deixou de colocar os interesses coletivos como os mais importantes. E a única coisa que pode nos unir neste momento é a responsabilidade com o habitat. A ignorância é o estado de maior vulnerabilidade, como mostram os estudos epidemiológicos. Por isso, a solução pode estar em medidas mais radicais que o gradualismo que professam os debatedores canônicos.

É chegada a hora de virar a mesa, antes que a natureza e os impasses sócio-ambientais nos virem do avesso.

*Paulo Rosenbaum (Jornal do Brasil)

PJ na Cúpula dos Povos Rio + 20

Padrão

A Pastoral da Juventude em comunhão com a Igreja e com os mais diversos movimentos sociais juvenis e preocupada com o bem estar dos povos, sua vida plena e o cuidado com a nossa casa mãe, está inserida no processo de construção da Cúpula dos Povos para a Rio+20. Este é um espaço construído pela sociedade civil, onde iremos levar nossas bandeiras de luta, denunciando as falsas soluções para o desenvolvimento sustentável do planeta, e também, pautar nossas reflexões e propostas enquanto juventude para o mundo que queremos.

Para que a juventude possa inserir-se neste debate e trazer à luz suas ideias e práticas sustentáveis, a PJ o subsidio para encontros de grupos de jovens “Cúpula dos Povos na Rio+20”. O mesmo é composto por uma carta de apresentação sobre a Cúpula dos Povos e a Rio+20, dois encontros e uma celebração, além de algumas reflexões e musicas em torno do tema.

Para baixar os arquivo acesse o link: http://www.pjsul1.org/site/noticias.php?opcao=Exibe&idNot=733

* PJ Sul 1

SISTEMA PRISIONAL

Padrão

NOTA PASTORAL CARCERÁRIA SOBRE A SITUAÇÃO DO SISTEMA PRISIONAL

A Pastoral Carcerária vem pela presente nota pública, manifestar a sua profunda preocupação com a atual situação do sistema prisional paulista.
Como se sabe, São Paulo detém aproximadamente um terço de toda a população prisional brasileira, fração que tende a aumentar.
Atualmente, conta-se, a cada mês, por volta de 2.700 pessoas a mais no sistema prisional. Mantida essa média, chegaremos ao final do ano com cerca de 210.000 pessoas adultas presas em São Paulo.
Decorrência direta desse aumento vertiginoso da população carcerária, a superlotação hoje se reflete nas 85.838 pessoas presas além da capacidade legal do sistema prisional paulista.
Infelizmente, ainda se socorre da política de expansão carcerária a pretexto de resolver o problema da superlotação: o Governo anuncia a construção de 39 mil vagas até 2015, com custo estimado em R$ 1,5 bilhão de reais.
Se a intenção é de fato conter a superlotação, a estratégia de construir novas unidades é, no mínimo, insuficiente: caso a população prisional siga crescendo da maneira que está e mesmo que as prometidas 39 mil vagas sejam construídas, em 2015 teremos um déficit de 180.000 vagas (número que corresponde à população aferida em dezembro de 2011!).
Em agravo a esse quadro já crítico, notamos um total descaso com os direitos mais básicos da pessoa presa: apenas 8% têm acesso a alguma forma de educação; somente 12% exercem atividade remunerada; o serviço de saúde é manifestamente frágil, com quadro técnico incompleto e diversos casos de graves doenças e até de óbitos oriundos de negligência; em celas onde cabem apenas 12,aglutinam-se mais de 40 pessoas.
Não bastassem todas essas mazelas, ainda outro atentado contra a humanidade é observado com freqüência intolerável: a tortura. São dezenas de denúncias apuradas pela Pastoral Carcerária e encaminhadas ao Judiciário e ao Ministério Público, instâncias que, lamentavelmente, pouco têm feito para coibir essa prática odiosa.
O mesmo Judiciário e o mesmo Ministério Público são também responsáveis pelo ingente número de pessoas presas sem necessidade real. São recorrentes os abusos na utilização da prisão cautelar. Também não se ignora a enorme quantidade de pessoas presas por crimes sem violência ou grave ameaça.
Impunidade, aqui, apenas para os “bem-nascidos”. Nossa população mais pobre (sobretudo os jovens e negros) é refém de uma história de injustiças sociais de séculos e que, ainda hoje, se desenrola em um sistema prisional extremamente seletivo e cruel.
Demandas sociais são tratadas com endurecimento penal. O resultado está nesse sistema carcerário superlotado e degradante, onde mais de 180 mil pessoas (repita-se: a maioria jovem, pobre e negra) estão literalmente acuadas.
Nesse contexto, surpreende-nos, ainda, a notícia de que o Governo de São Paulo pretende entregar à iniciativa privada a construção e a administração de novas unidades prisionais.
Obviamente, o custo da prisão aumentará, até porque não há iniciativa privada desprovida de apetite pelo lucro. Aquelas mesmas pessoas alijadas do exercício dos mínimos direitos fundamentais serão agora insumos para a iniciativa privada.
Não precisamos construir mais unidades prisionais, tampouco podemos admitir que a restrição à liberdade seja objeto de exploração pela iniciativa privada!
Apesar de uma em cada 171 pessoas adultas estar presa em São Paulo, as taxas de criminalidade continuam ascendentes. Parece claro que essa política de encarceramento em massa, longe de responder aos anseios sociais por segurança pública, apenas interessa a quem é ávido por lucrar com o sistema prisional e com a reprodução da cultura de violência.
A Pastoral Carcerária é veementemente contrária à violência, seja de quem e contra quem for. Exatamente por isso, vem a público externar a sua preocupação com a atual situação do sistema prisional paulista, cujos malfeitos apontados nos fazem temer pelo pior.
Pelas razões expostas, instamos as autoridades públicas a adotarem todas as providências necessárias para reduzir substancialmente a população carcerária e para (antes de pensar em construir qualquer nova unidade) estruturar as unidades existentes com os equipamentos e com os profissionais adequados à promoção dos direitos básicos inscritos na Constituição da República e na Lei de Execução Penal.
*PJ Sul 1 – Pastoral Carcerária

Baixada Santista tem 408 vagas de emprego

Padrão

Quem está desempregado deve se animar e separar o currículo. Na Baixada Santista, há 408 vagas disponíveis. Com 356 oportunidades, a Atento, empresa de call center com sede em Santos, seleciona para o cargo de teleoperador.

Os requisitos são: Ensino Médio completo, bom vocabulário, boa dicção, fluência verbal, desenvoltura no relacionamento interpessoal, dinamismo, conhecimentos de informática e habilidade em digitação.

A empresa oferece registro em Carteira de Trabalho, assistência médica, vale-refeição ou vale-alimentação, seguro de vida, assistência odontológica, vale-transporte, auxílio-creche e auxílio criança especial. Já a remuneração varia de acordo com cada cliente e com a carga horária cumprida. Os interessados devem entrar no site www.atento.com.br e efetuar o cadastro.

Extra

Já em Mongaguá, o Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT)  está com 52 vagas para o novo Hipermercado Extra, que será inaugurado em breve no município.

Os candidatos devem residir em Mongaguá. As vagas são para recepcionistas, operadores de caixa e atendentes de balcão,laticínios e hortifruti. Para se candidatar a essas vagas, é necessário ter entre 18 e 45 anos e Ensino Médio completo.

Também serão chamados um padeiro e um açougueiro. Nestes dois postos, é preciso ter três meses de experiência e Ensino Fundamental completo.

Os interessados devem comparecer ao PAT até esta sexta-feira, das 8h30 às 15h30, para efetuar o cadastro. O endereço é Praça Jacoub Koukdjian, 167, 3º piso, Centro. É necessário levar comprovante de residência e os originais do RG, CPF, Carteira de Trabalho e PIS.

*Jornal A Tribuna

3° Encontro Regional da Pastoral da Juventude

Padrão

Passados três anos, teremos mais um Encontro Regional da Pastoral da Juventude do Estado de São Paulo. O terceiro encontro estadual será acolhido pela Sub-Região de Botucatu, de 6 a 9 de junho na cidade de Marília. As inscrições estarão abertas até 27 de maio.
O 3º ERPJ tem como tema “Pastoral da Juventude: Testemunho e Esperança” e lema “Do chão da nossa história, alimentamos nossos sonhos e fortalecemos nosso compromisso”. O tema é o mesmo da 18ª Romaria da Juventude do Sul-1 que marcará o encerramento das atividades, em Presidente Prudente, com os romeiros chegando de todas as dioceses do Estado.

Neste ano poderão participar 8 jovens delegados por diocese, sendo uma das vagas reservada para  um assessor obrigatoriamente. O valor de cada inscrição é de R$ 40 – garanta sua vaga preenchendo a ficha logo abaixo em nosso site. A confirmação da inscrição será feita por e-mail pela coordenação do regional Sul-1, que enviará o material de estudo mais as orientações necessárias.

Não deixe sua diocese sem representação. Venha conosco dar início às comemorações dos 40 anos de Pastoral da Juventude no Estado de São Paulo. Traga a foto de seu grupo de jovens para o nosso “túnel do tempo”, venha construir mais esta história. A chegada está marcada para às 18h do dia 6.

Faça sua inscrição: http://www.pjsul1.org/erpjromaria2012/inscricoes-erpj.html

*PJ Sul 1